O Poder da Amamentação Especialista fala sobre o assunto

1 de agosto de 2018

         O leite materno é o alimento ideal para o recém-nascido e a amamentação exclusivamente nas mamas, é recomendada pelo Ministério da Saúde e pela Sociedade Brasileira de Pediatria até, pelo menos, 6 meses. O último estudo nacional sobre amamentação, promovido pelo governo em 2008, estimou uma duração mediana do aleitamento materno exclusivo de apenas 54,11 dias, além de prevalências de 23,3% e 9,3% aos 4 e 6 meses, respectivamente, mesmo após 30 anos de campanhas governamentais a favor do aleitamento materno.

O leite materno é considerado um alimento completo, por isso o bebê não tem necessidade de chás, água ou qualquer outro alimento. Além disso, ele leva muitos anticorpos (células que fazem nossa defesa) para o bebê funcionando como uma “vacina” evitando assim muitas doenças, como as doenças respiratórias, diarreia, alergias e até mesmo a obesidade e o diabetes. É importante ressaltar também que isso não dispensa a aplicação das vacinas estabelecidas no calendário vacinal das crianças.

Do ponto de vista psicológico há a criação de um vínculo emocional único entre mãe e filho que perdurará durante toda a vida dos dois e faz com que a autoestima inicie seu desenvolvimento na formação de um indivíduo maduro e mais feliz.

A mamãe que amamenta se beneficia com a recuperação mais rápida do útero, tem diminuída a chance de hemorragias, é favorecida com a redução mais rápida de peso, além de diminuir a sua chance de ter o diabetes e ainda há a prevenção de uma gestação futura enquanto a amamentação for exclusiva e a menstruação ainda não tiver retornando.

A amamentação deve ser livre demanda, sem horários fixos, o que leva a cerca de 8 a 12 mamadas por dia. A mamãe deve deixar esvaziar uma mama para posteriormente oferecer a outra, lembrando de sempre iniciar a mamada pela última mama oferecida na mamada anterior. Isso porque o primeiro leite tem mais água e mata a sede e ao final, o leite tem mais gordura e mata a fome do bebê, permitindo o ganho de peso.

Vale lembrar que o leite materno excreta o que a mãe bebe e come, precisando haver cuidado com a ingesta de medicamentos, de bebida alcóolica e também de cigarro.

Se você, ao amamentar, tiver uma produção de leite que permita a doação, não deixe de fazê-lo. Um litro de leite materno doado pode alimentar até dez recém-nascidos por dia. Dependendo do peso do prematuro, 1 ml já é o suficiente para nutri-lo cada vez em que ele for alimentado. Quanto mais você amamentar, mais leite irá produzir, o que faz com que você seja uma potencial doadora e salvadora de muitas vidas!

E não se esqueça: em hipótese alguma é recomendado o uso de mamadeiras e chupetas. Elas favorecem o desmame precoce e trazem alterações anatômicas que podem prejudicar o desenvolvimento do sistema digestivo e respiratório do bebê.

 

Escrito por Dra. Luiza  Alencar   

Ginecologista e Obstetra 

 

Imagem: Internet

Deixe um Comentário